Dicas úteis

Bangkok

Esta já é a 3ª vez que visitamos a incrível capital da Tailândia, Bangkok. Ainda nos falta conhecer muita coisa, mas aqui vão algumas dicas que vos podem ajudar quando passarem por lá 😀

Voos: Tudo começa aqui, sensivelmente com 6 meses de antecedência, e após muitas visitas ao skyscanner, escolhemos o melhor custo benefício e a viagem oficialmente já começou, muitos meses antes de ter começado 😀 Os voos internacionais, voos domésticos e alojamento reservamos previamente em Portugal.

Moeda: A moeda oficial da Tailândia é o Bath, este ano foi definitivamente o pior câmbio que apanhámos até hoje. 1€ equivale a 34 baths, sendo que nos anos anteriores valia quase 40 baths, o que dava para comer um pad Thai de rua 😁
Aconselhamos a não levar baths de Portugal porque o câmbio é pior que mau, optar antes por levar € e trocar logo no aeroporto internacional de Bangkok (Suvarnabhumi) na loja de câmbios Super Rich que tem o melhor câmbio lá ou então levantar pelo cartão Revolut, que foi o que fizemos este ano, apesar da taxa de levantamento.
Junto ao nosso hotel também há várias lojas de câmbio com valores muito simpáticos sem taxas. Atenção: levar sempre passaporte para trocar, ou como nós fazíamos tínhamos sempre as cópias no telemóvel para evitar andar com os originais para todo o lado.

Como chegar ao hotel do aeroporto: Há uma linha que sai do aeroporto para o centro que é bastante boa e barata, no entanto, ao contrário dos demais anos, como íamos com os meninos e desta vez com malas grandes optámos pelo táxi até ao hotel, que é barato em Bangkok. Dica importante: pedir para ligar sempre o taxímetro, é sempre melhor opção do que negociar.

Onde ficar: Este ponto é muito subjetivo porque depende do que querem gastar e do ponto da cidade onde querem ficar. Nós desde o 1º ano que ficamos no Rambuttri Village Plaza, uma excelente localização e na nossa muito querida Rambuttri Road. Quarto bastante simples, com WC, um excelente pequeno-almoço, piscina no rooftop e um excelente preço. Para terem uma noção pagámos cerca de 50€ por noite para os 4.
Por volta deste preço também é possível encontrar ofertas em hotéis de 4 ou 5 estrelas mas mais longe do centro e nós damos muita importância a uma boa localização.

Como deslocar-se dentro da cidade: Já falei dos táxis que além de serem baratos, têm ar condicionado e nem sabem o que bem que sabe com o calor asfixiante da cidade. Os meninos nem imaginavam que havia um lugar tão quente ao cimo da terra 😀
Já andámos também de autocarro nas últimas duas vezes que lá estivemos, que é também uma aventura engraçada com o trânsito caótico de Bangkok.
Vir a Bangkok e não andar de tuk tuk era um sacrilégio, principalmente se apanharem um qualquer Fitipaldi dos tuk tuk que foi o que nos aconteceu, os meninos vibraram e é um must do!

Corrente eléctrica: Não precisam de se preocupar com adaptadores 😀

– Não beber água da torneira

Cartão SIM : comprámos um cartão para 8 dias ( também há de 15) por 8,5€ com chamadas e dados incluídos na melhor loja do mundo, o 7 Eleven, há um em cada esquina e sempre que estás a morrer de sede, queres comer um snack ou apenas um geladinho ali está um 7 Eleven para te salvar 😀

O que visitar/fazer: Bangkok é uma cidade imensa com tanto que fazer, que é muito difícil elencar mas aqui vai uma tentativa referindo aqueles que visitámos…

A nível de templos: Grand Palace, Wat Pho, Wat Arum, Golden Mount, Loha Prasat, Marble Temple, Wat traimit. Uma dica importante: a indumentária. Ir sempre munido duma echarpe e saia abaixo do joelho ou calças para podermos entrar nalguns templos que são muito rigorosos.
Poderão também ir ao mercado do comboio, um pouco distante do centro da cidade, a um dos muitos mercados flutuantes ou aos mercados de roupa, de Chatuchak p ex, que nunca fomos.
Há um museu que queremos ir que é a casa de Jim Thompson, onde podemos conhecer a história desta pessoa que revolucionou o comércio de seda tailandesa, ficará para a 4ª visita 😀
Se quiserem fazer uma massagem Tailandesa recomendamos a escola de massagem no templo Wat Pho e assim fazem dois em um, visitam o templo sem pagar e ficam todos partidos após a massagem 😀 Para algo mais soft têm a foot massage, o nosso mais pequeno adormeceu passados 5 min 😀
Se gostarem de agitação, comer uns deliciosos escaravelhos fritos e bicharadas afins Kaho San Road é a vossa praia 😀
Se tiverem mais alguns dias em Bangkok, aconselhamos uma visita à antiga capital do Reino, Ayutthaya, se tiverem curiosidade podem ler aqui a nossa visita https://mmaroundtheworldblogue.com/ayutthaya/.

Se tiverem curiosidade por descobrir o nosso roteiro na nossa 1a visita à capital  da Tailandia, tambem podem ler aqui https://mmaroundtheworldblogue.com/bangkok/.

Onde comer: Este ponto também é muito subjetivo, estando dependente do que gostam e do que estão dispostos a arriscar 😀 Nós comemos muito street food e até agora sem uma dor de barriga, no entanto temos alguns restaurantes que adorámos ir. O Ama Restaurant, o único restaurante onde fomos sempre que passámos por Bangkok, fica entre o Grand Palace e o Wat Pho. O Jin Chieng Seng by inn a day Restaurant, Thip Samai ou Cozy house Restaurant. Depois há sempre o 7 Eleven para safar e muita street food 😀Se quiserem comer num restaurante de rua com estrela Michelin poderão ir no Raan Jay Fai, depois digam-nos o que acharam 😀

No final de tudo a melhor dica é mesmo irem de espírito aberto para conhecerem uma realidade e uma cultura muito diferente da nossa. Irem preparados para alguma coisa não correr exactamente como estava delineado no plano inicial e deixarem-se levar no sabor desta cidade imensa e intensa.

Bangkok não é uma cidade de consensos, aliás é muitas vezes uma cidade de extremos, ou ama-se ou odeia-se, e nós definitivamente amamos! 😀

Boa viagem!

Koh Phangan

A nossa passagem pela Tailândia este ano iria passar pelas ilhas do lado Sudeste do país, que ainda não tinhamos tido oportunidade de conhecer. O plano inicial era 2 noites em 3 ilhas distintas, Koh Phangan, Koh Samui e Koh Tao, a última acabou por cair, pensámos que era muito cansativo por causa dos meninos e acabámos mesmo por ficar em Koh Phangan e Koh Samui.

Como chegar: A maneira mais rápida de chegar a Koh Samui é de avião mas também a mais cara. Optámos antes por apanhar um avião para Surat Thani de Bangkok, uma camioneta até ao pier e depois de ferry até Koh Phangan, ao início da tarde chegámos ao destino final.

Existe também a opção de ir de camioneta de Bangkok até Chumphon e do pier até Koh Tao e depois para as restantes ilhas.

Onde ficar: optámos por ficar no sítio mais longinquo da ilha para quem chega ao seu pier principal, Thong Sala. Mais precisamente no Starlight Resort, na praia de Ao Thong Nai Pan Yai. O preço foi incrivelmente baixo para o local paradisíaco onde tínhamos chegado, uma piscina com uma vista magnífica para a praia e para a montanha verdejante. Os quartos com 2 camas com WC era bastante simples mas por 45€ por noite era muito mais do que podíamos esperar, ainda mais naquele cenário deslumbrante.

Transfer: Para quem apenas traz uma mochila às costas a maneira mais barata para se deslocar na ilha é mesmo de táxi ou mota para quem quer alugar uma para conhecer a ilha. No nosso caso, que tínhamos malas, crianças e andar de moto não é uma opção, portanto fomos mesmo de transfer do hotel e o preço não é nada meigo, ainda mais comparado com os preços de Bangkok, diria que cerca de três vezes mais. Aqui não há Uber, Grab ou Navigo.

Onde comer: Ponto prévio, estando numa ilha obviamente que o preço das refeições disparam relativamente a Bangkok, p.ex.
Nós optámos por almoçar nos restaurantes de praia, porque a nossa vida era basicamente praia/piscina 😁 sendo o nosso preferido o do LongTail beach resort. Para jantar optávamos por ir a pé, 5 ou 10 min até ao pequeno vilarejo, onde descobrimos um restaurante maravilhoso que nos encheu as medidas com comida tailandesa muito saborosa e em conta comparando com a restante oferta, o Ram&Pha Restaurant. Depois ali com um 7 Eleven acabávamos sempre com um geladinho diferente dos que existem em Portugal e um roti de banana e chocolate, que desde que provámos há 2 anos em Railay Beach ficámos fãs!

O que fazer: Quem quer alugar uma mota pode conhecer toda a ilha (temos de aprender a andar 😁 ). De Koh Phangan também pode ser o ponto de partida para conhecer o Ang Thong National Park que estava no nosso plano inicial.
Como gostámos tanto do nosso cantinho, decidimos assim que chegámos que estes dias iriam ser de absoluto descanso e foram de facto dias de muito relax, brincadeira e felicidade 😀 Ainda hoje os meninos falam de Koh Phangan e das suas águas quentes com um brilhozinho nos olhos 😀

Koh samui

Koh samui é a 2ª maior ilha da Tailandia, depois de Phuket, e completamente diferente de Koh Phangan, pelo menos do local onde estávamos. Mal chegámos apercebemo-nos que tinhamos chegado a uma pequena cidade com muitos turistas. Nunca tinhamos visto tanto turismo Russo por metro quadrado 😁

Como chegar: Vindo nós de Koh Phangan, apanhamos um ferry até Nathon Pier que demorou cerca de uma hora.

Para quem vem de Bangkok pode apanhar um avião, já que a ilha tem aeroporto.

Onde ficar: A ilha tem imensa oferta e o dificil é escolher onde ficar. Nós estivemos na dúvida entre 3 zonas de praia, Chaweng beach, silver beach e Lamai Beach. Acabámos por optar por esta última.

Ficámos no Rich Resort, barato e simples mas que pensávamos que era na 1ª linha da praia mas efectivamente era na 2ª. Na primeira linha de praia tinhamos acesso gratuito ao bar de praia Kon Tiki, À piscina e ás suas cadeiras de praia, temos que dizer que os empregados não eram especialmente simpáticos.

se alguma vez regressármos a Koh samui, voltaremos a repetir a zona de Lamai beach mas ficámos de olho nuns bungalows de frente À praia que nos pareceram muito giros, no coconut beach resort.

Transfer: Na ilha existem duas opcões, ou taxi ou Navigo, especie de Uber ou Grab, que é ligeiramente mais barato que o taxi. Nenhuma das opcões sao em conta e quem optar por alugar uma moto é sempre a melhor opcão e mais barata.

O que fazer: Koh samui é uma ilha com imensa coisa para fazer, além de todos os desportos naúticos que são oferecidos nas suas praias.

Nós optámos por optar por ir de taxi para ir conhecer alguns templos no norte da ilha , (500 bahts cada ida):

O Wat Phra Yai ou mais conhecido por Big Buddha com o seu enorme Buda dourado de apenas 12 metros de altura 😀 Tem uma vista fantástica sobre a ilha e é decididamente um must go este templo Budista se passarem pela ilha.

De seguida, a pé, sob um calor tórrido, chegámos a Wat Plai Laem, um complexo de templos ainda recentes mas lindissimos, repletos de cor. A enorme estátua da deusa Guanyin, a deusa da mesericórdia e compaixão com vários braços e o Buda sorridente são impactantes. Gostámos tanto de por aqui passear que nem demos pelo tempo passar, foi o nosso local preferido da ilha.

Existem outros templos que não tivemos oportunidade de visitar como p.ex. o Pagoda Khao Hua Jook, bem no cimo de uma colina, ou o Wat Khunaram.

Da nossa praia de Lamai Beach fizemos também um passeio a pé para vislumbrar o Hin Ta&Hin Yai Rocks, onde se podem ver uns calhaus que fazem lembrar os genitais masculino e feminino, é engraçado mas vale essencialmente pela paisagem envolvente e pelo gelado de coco delicioso que por lá provámos 😀

Outra atracção famosa da ilha é a sua cascata Na Muang ou a Hin Lad.

A nossa maior tristeza foi de não termos conseguido fazer o passeio ao Parque Nacional Ang Thong, devido ao mau tempo. Ficará para uma próxima visita 😀

Onde comer: