2º Dia

Tal como no dia anterior, acordámos cedo e de baterias carregadas para descobrir um pouco mais do que esta ilha indonésia nos tinha para oferecer.

1

Depois de um sustante pequeno almoço típico, hoje iríamos rumar e conhecer o leste da ilha. A primeira paragem seria na

Kanto Lampo Waterfall

Depois de na véspera termos estado na Banyumala Waterfall, era quase impossível superar a sua beleza e magnitude.

2

No entanto, esta waterfall é lindíssima, mais acessível para chegar do que a anterior, apesar de ser muito menos conhecida e turística.

Desta vez, como era cedo e a corrente um pouco forte, acabámos por não ir a banhos, mas recomendamos a visita por ser perto de Ubud e por estar envolvida bem no meio da natureza ainda intacta.

3

Mais uma vez estavámos sozinhos, o que tornou a visita ainda mais agradável.

Seguimos agora para o

Besakih Temple

Considerado o maior e mais importante templo da ilha de Bali, tivémos previamente que nos equipar adequadamente, fomos comprar uns sarongs todos catitas e agora sim, estávamos habilitados a entrar com nível no templo.

Desde a bilheteira até ao templo é sempre a subir e estrategicamente estão várias motas prontinhas para levar os camones até à porta do templo e lá fomos nós 🙂

4

Foi a 1a vez que a Marta andou de mota e adorou, mal ela sabia que mais e mais radicais viagens de mota estavam para vir 🙂

Os balineses acreditam que foi deste templo, que se situa na encosta do vulcão Agung, a montanha mais alta e sagrada da ilha, que os Deuses saíram.

6

A área é enorme, a arquitectura incrível, e muita gente, bastantes turistas mas penso que na maioria locais venerando os Deuses ou ganhando a vida com os turistas 🙂Acabámos por fazer um pouco dos dois, acabámos por comprar uns incensos para venerar e pedir protecção aos deuses e deste modo ajudámos quem vive do turismo 🙂

Uma imensa escadaria leva a diversos templos, e alguns só podemos espreitar do exterior, pois os não hindus não podem entrar.

No entanto a vista daqui de cima é absolutamente fantástica e só por ela vale a pena passar por aqui.

Como para baixo todos os santos ajudam, fomos ter com o nosso tranquilo Ewan e seguimos para o próximo templo

Pura Lempuyang

Como não conseguimos estacionar perto, tivemos que meter a 1a para subir aquela subida íngreme, quando chegámos suávamos em bica e mal conseguiamos falar 🙂

A entrada para este complexo de templos não tem um preço definido, podes doar o que achares por bem e aqui mora a famosa porta do Céu, tendo como pano de fundo o vulcão Agung, que quando fomos estava activo.

35

Deveriam estar umas cem pessoas ou mais em fila para obter uma foto na famosa porta, como é obvio não esperámos 🙂

30

Detivemo-nos antes na fantástica escadaria do dragões, mesmo em frente à porta. Atenção: não cometam o meu erro que eu que ia começar a escalar pela escadaria central e fui advertido, uma vez que só podemos subir pelas laterais…espero que os Deuses me tenham perdoado este pequeno lapso 🙂

Olhámos divertidos para os pacientes turistas que iriam esperar mais uma ou duas horas para tirar ‘a foto’ e despedimo-nos do templo rumo ao

Tirta Gangga

Também conhecido por palácio da água, este foi um dos templos mais bonitos e que mais gostámos de conhecer em Bali.

Aproveitando o facto de ser a hora de almoço o templo estava calmo e foi muito agradável conhecer e passear aqui.

Apesar de ser um templo recente, em 1963 uma erupção do vulcão Agung praticamente destruiu o palácio. Desde então tem vindo a ser reconstruído.

Talvez o ex libris seja o lago central onde encontramos umas pedras que formam vários caminhos e por onde podemos andar junto a inúmeras estátuas hindus.  Por infelicidade, com a perca de um cartão de memória poucas fotos sobreviveram para contar a visita.

36

34Quem quiser pode ainda tomar banho nas piscinas naturais e nadar com carpas!

Nós fomos antes ‘nadar’ até ao prato, sendo quase hora do lanche, tinha chegado a nossa hora do almoço.

Almoçámos mesmo ali junto ao Tirta Gangga e aproveitámos para descansar um pouco.

38

Seguimos agora para a costa passeando pela Candidasa Beach e Blue lagoon beach rumo a Ubud.

39

Quando chegámos já era quase lusco fusco e fomos visitar o

Ubud Palace

Bem no coração de Ubud encontrámos o seu palácio.

É um complexo de jardins e edifícios construídos em arquitetura típica balinesa, espaço de diversos eventos culturais da cidade. O lugar é pequeno mas é bonito e tem as construções bem preservadas. Vale a visita, ainda mais sendo gratuito!

40

Pela primeira vez desde que chegámos à ilha encontrávamo-nos num local feito à medida para os turistas, repleto de cafés, bares, lojas, restaurantes e rapidamente fomos saindo das duas principais ruas turísticas rumo ao Warung pondok madu, o restaurante onde iríamos jantar.

O espaço estava repleto mas com muita sorte lá havia um cantinho para nós 🙂

Enquanto esperávamos bebíamos uma geladinha bintang, petiscávamos uns Spring rolls e agradeciamos aos deuses Balineses por nos receberem tão bem 🙂

Rapidamente vieram os pratos principais, para mim um entrecosto especial de corrida da casa e para a Marta um nasi gorehng.

Estava tudo muito bom mesmo, excelente escolha! Fomos fazer a digestão para o movimentado centro de Ubud e quando o cansaço se apoderou de  nós fomos para casa.

Apesar de já ser tarde, o calor e a humidade ainda se faziam sentir e ainda fomos a tempo de um nightswimming na piscina, acabando com nota máxima este nosso segundo dia em Bali 🙂

56

Ainda nos restava mais um dia, até amanhã 🙂